Skip navigation

Category Archives: animação

Fiz a apresentação oral da minha monografia na última segunda-feira, dia 07/04. Gostei bastante do resultado, acho que consegui atingir grande parte dos objetivos e o debate com os professores que fizeram parte da banca de avaliação foi bem rico e produtivo. A banca avaliou positivamente meu trabalho e fiquei feliz pelo fato dele já está gerando frutos na universidade, já que o professor que ministra a disciplina “Computação Gráfica” no curso de ciência de computação da UFS disse que irá utilizar o Blender nas próximas turmas da disciplina!

O título da monografia é “Software livre, bazar e computação gráfica: o caso do Blender“. E o objetivo geral da pesquisa foi analisar quais os recursos oferecidos pelo Blender, em relação à produção de animações 3D, e também analisar os fatores que influenciaram o processo de desenvolvimento do software.

Pretendo, em breve, postar aqui no blog alguns resultados que eu obtive com a pesquisa. Mas, quem quiser, já pode baixar o PDF com o texto completo da monografia. Comentários são bem vindos.

Como falei num post anterior, tô fazendo a pesquisa em torno do uso e do desenvolvimento do Blender para minha monografia. Hoje acabei de publicar os formulários da minha pesquisa de campo, que visam traçar um perfil dos usuários de Blender e também analisar como estes avaliam e contribuem para o aperfeiçoamento do software.

Quem for usuário de Blender, acesse a página:

http://pesquisablender.myurl.com.br/

e responda algumas perguntas… é bem rápido!

Descobri hoje o Opencity, um projeto aqui do Brasil que pretende produzir algumas animações 2D utilizando software livre.

OpenCity é um projeto idealizado por André Wyzykowski e feito por toda a comunidade fanática por Linux e aplicativos OpenSource. Nele apresentamos um desenho animado 100% feito por ferramentas livres, com o objetivo de demonstrar o poder das nossas ferramentas de criação , além de propagar as idéias de uma forma clara e objetiva para os usuários que estão migrando para a plataforma aberta.

Essa semana foi publicada uma entrevista de Linus Torvalds na Computer World. A entrevista aborda diversos assuntos em torno do Linux, mas o que eu achei mais interessante foram as reflexões de Linus Torvalds a respeito de como o Linux se beneficiou do fato de ter o código fonte aberto.

“CW – Como é que o Linux enquanto produto foi beneficiado pelo release (público)?

Torvalds – Bom, muito claramente, caso não o tivesse tornado público, teria sido apenas mais um dos meus pequenos projetos, sendo usado nas minhas máquinas, mas eventualmente teria sido deixado de lado sob um argumento do tipo: “é uma projeto bacana, mas deixa eu ver o que mais posso fazer”. O Linux não teria ido a lugar algum não fosse a abertura do código-fonte.”

Algo parecido aconteceu com o Blender. Em 1998, o Blender começou a ser desenvolvido por uma empresa chamada NaN. O objetivo da NaN era criar uma plataforma de modelagem 3D e animação de nível profissional e que fosse distribuída gratuitamente, porém com o código fonte fechado. A empresa conseguiu vários investidores que financiaram o desenvolvimento do Blender e, no ano 2000, tinha cerca de 250.000 usuários registrados do software.

Porém, esse modelo de negócio não estava conseguindo sustentar a empresa e, em 2001, ela partiu para a venda de softwares, lançando nas lojas o Blender Publisher. No entanto, as vendas do Blender não foram satisfatórias e a NaN acabou indo à falência.

No ano de 2002, Tom Roosendaal, um dos fundadores da NaN, criou a Blender Foundation e iniciou uma campanha para arrecadar dinheiro, comprar os direitos autorais sobre o código fonte do Blender e o liberar como software livre.

A partir daí o Blender conseguiu reunir vários voluntários e hoje é um software de alta qualidade técnica. Ou seja, não fosse a abertura do código fonte, o Blender não teria ido a lugar nenhum.

Outro ponto interessante da entrevista é o que Linus fala do uso comercial do Linux.

“O fato é que desde o início interesse comercial era muito importante. As distribuições comerciais foram o que atraiu um monte de ótimos instaladores, e forçou as pessoas a melhorar a usabilidade. Por isso acredito que os usuários comerciais do Linux têm sido muito importantes para aprimorar o produto. Eu sei que todo o pessoal técnico envolvido tem sido de enorme importância, mas penso que o tipo de uso comercial que se pode obter com o GPLv2 também é importante – é preciso manter um equilíbrio entre a tecnologia pura e as necessidades que os usuários trazem através do mercado.”

Essa relação do Linux com o mercado é um tema que causa muitas discussões nas comunidades de software livre e é um dos pontos que eu pretendo estudar na minha monografia, a qual vai tratar do Blender e de mais alguns assuntos relacionados à forma como ele se desenvolveu.

Fontes:

Entrevista de Linus Torvalds

Blender History

O MUAN é um software livre para animação Stop Motion desenvolvido pelo IMPA/Visgrap em parceria com o Anima Mundi. Instalei o MUAN 8.1 no Slackware 11.0 e fiz alguns testes do software.

Instalação

Na página do MUAN estão disponíveis o código fonte do software e um pacote binário rpm. Primeiro tentei instalar compilando o código fonte, mas não consegui, depois baixei o rpm, converti para tgz com a ferramenta rpm2tgz e instalei com installpkg. A localização dos executáveis após a instalação é um pouco confusa, em vez de /usr/bin/, os executáveis são enviados para o diretório /usr/local/share/muan/. Quando digitei muan no terminal, apareceu a mensagem de comando não existente. Então abri os pacotes de instalação e descobri o local onde os executáveis foram instalados. Seria bom que na próxima versão do MUAN isso fosse corrigido ou que pelo menos um link fosse criado em /usr/bin.

Testes

- Documentação e Interface

interface muan_aeO MUAN é bem simples de usar e a documentação que o acompanha é bastante completa. O MUAN tem duas opções de interface, o que é muito interessante: a muan_ae e a muan_os. A muan_ae traz todos os botões e menus em uma única janela e é mais adequada para os iniciantes. Já a muan_os traz todos os recursos da outra interface dividida em cinco janelas independentes e proporciona ao usuário maior liberdade na personalização da interface.

- Modo memória

Como eu não tinha uma câmera disponível para testar a captura de imagens, primeiro fiz testes na função Memória, trabalhando com imagens que já estavam em meu computador. Senti falta da possibilidade de escolher o número de fotografias a serem exibidas em cada segundo. Apesar de o MUAN apresentar, na janela de preferências, a possibilidade de determinar a duração padrão de cada frame, esta opção não funciona no modo memória. Dessa forma, para modificar o tempo de exibição de cada fotografia é necessário realizar a alteração para cada uma destas, o que torna o trabalho cansativo quando se está trabalhando com um grande número de frames. Além disso, seria interessante que o MUAN também suportasse imagens no formato PNG.

- Modo câmera

O MUAN é compatível com câmeras com interface firewire e com dispositivos video4linux (v4l), como webcam’s e placas de captura analógica. Utilizei uma webcam Go Tec nos testes. A velocidade de captura das imagens é bem rápida, praticamente instantânea (muito melhor do que em alguns softwares que eu já tinha visto rodar em window$). Seria legal que as próximas versões possibilitassem o controle sobre alguns parâmetros da imagem (brilho, contraste, balanço de cores, etc). O MUAN traz a ferramenta Flipar, a qual alterna entre a última foto capturada e a imagem que está sendo recebida pela câmera, e é bastante útil para analisar o movimento presente entre dois frames da animação.

- Exportação

O MUAN pode exportar as animações em MPEG (codec mpeg1) ou em AVI (codec dvvideo), o qual é muito bem suportado pelo Cinelerra (principal software livre para edição de vídeo). A exportação em formato de vídeo era um problema em outros softwares livres para stopmotion e esse problema o MUAN resolveu definitivamente. Além disso, o MUAN pode exportar também a seqüência de imagens em JPEG.

Análise geral

O MUAN é um software que, apesar de já estar num nível muito bom, ainda pode melhorar bastante. O maior problema do MUAN é não possibilitar a alteração da taxa de frames de forma rápida e prática.

Site oficial: http://www.muan.org.br

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.