Skip navigation

Category Archives: hacking

Já está no ar a versão alpha do wikia search, um motor de busca de código aberto. Por enquanto, a qualidade da busca ainda é baixa, mas podemos contribuir criando definições para os termos de busca mais populares. Vale a pena contribuir com essa iniciativa, pois os buscadores são hoje uma parte importante da infra-estrutura da internet. E, se o buscador não nos revela os critérios de classificação das páginas na busca, estaremos reféns da informação que ele julgar ser importante para nós.

Por falar em buscador, resolvi boicotar o google analytics. O analytics é um script que está inserido em inúmeras páginas da internet e informa ao google quais sites acessamos, onde clicamos e muitas outras informações. Para bloquear o google analytics, instale a extensão Adblock Plus no firefox e configure o bloqueio aos seguintes endereços:

http://www.google-analytics.com/ga.js

https://ssl.google-analytics.com/urchin.js

http://www.google-analytics.com/urchin.js

https://ssl.google-analytics.com/siteopt.js*

https://ssl.google-analytics.com/urchin_beta.js

Em menos de 24h de uso, o Adblock já bloqueou o script do google 80 vezes!

Entre outros problemas da operadora de telefonia mais odiada do Brasil, está o fato de seu site praticamente não poder ser visualizado por quem utiliza o Firefox no GNU/Linux. A causa desse problema é um banner em flash que ocupa grande parte da página e torna inacessível os menus e links mais importantes. Com isso, ficava impossível utilizar o site pra mandar um Oi torpedo, já que o banner ficava por cima da área onde se digita o texto do torpedo.

A solução que eu encontrei pra isso foi instalar uma extensão pro firefox chamada Flashblock. Essa extensão retira todo o conteúdo em flash das páginas e deixa apenas um botão no lugar. O conteúdo em flash só será exibido se o botão por pressionado. Se preferir, você pode deixar a extensão desabilitada e, quando precisar entrar no site da maldita operadora, ativá-la.

tela do site da oi sem flash

Ninguém conhece ao certo a história da Wanderllyne. Alguns escrevem seu nome com 2 l’s, outros com 2 n’s ou com 1 l e um n. Dizem até que ela escreve seu nome de maneiras variadas para dificultar o trabalho de indexação do google, já que a Wanderllyne é uma ativista anti-capitalista.

Uma das versões propagadas na rede conta que a Wanderllyne mora numa tribo indígena da amazônia e que se apropriou da tecnologia dos computadores e da internet e também das idéias da MetaReciclagem para divulgar suas idéias revolucionárias. Mas nenhuma versão é confiável, pois a Wanderllyne pode ser todo mundo e pode estar em qualquer lugar.

A última ação (conhecida) da ativista foi hackear o Estúdio Livre, modificando o seu logotipo.

hack estudio livre

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.