Skip navigation

Category Archives: tech

Execute o comando:

history|awk ‘{a[$2]++ } END{for(i in a){print a[i] ” ” i}}’|sort -rn|head -n 10

e veja quais os dez comandos mais utilizados no terminal do gnu/linux. O meu resultado foi:

68 su
60 mplayer
28 cd
27 df
26 ffmpeg
20 top
15 xine
15 man
15 ls
15 gmplayer

O número ao lado mostra o número de vezes que eles foram executados. Alguns comandos como o xine, gmplayer e ffmpeg eu nem utilizo tanto, mas nos últimos dias tentei resolver uns problemas nesses softwares, o que fez as estatísticas subirem… Uso muito o df -h pra ver o espaço livre no hd e pendrives e o top pra monitorar o que tá acontecendo na máquina.

A dica veio do Liquuid na lista de discussão MetaReciclagem.

Tô disposto a reativar esse blog. Vou começar com uns links, depois escrevo sobre as oficinas que eu venho fazendo em Alagoas e Sergipe e também sobre umas produções em vídeo e áudio.

 Tô usando o Gallery do MetaReciclagem pra colocar as fotos das Oficinas. O endereço do meu álbum é http://metareciclagem.org/gallery/v/Wille/

Fiz um flickr, mas lá tem a limitação de só poder organizar as fotos em três albuns, então preferi ficar com o sistema metarec que é mais livre!!!

 Uso também o http://links.metareciclagem.org que é onde eu guardo meus sites favoritos. Meus links estão na página http://metareciclagem.org/links/bookmarks.php/wille.

Você é um Cyborg!

Achei uns stickers feitos por André Lemos e Mari Fiorelli. Esse foi o que eu mais gostei. Veja mais….

Acabei de me registrar no Linux Counter, sou o usuário GNU/Linux de número 423063. Ontem me registrei no Jabber, um mensageiro intantâneo livre (que substitui aquele da micro$oft…). O meu nome de usuário é willem (arroba) jabber,org

Há muito tempo, acho que lá pelo ano 2000, eu já ouvia falar do Linux, um sistema operacional alternativo ao ruindow$ que eu sempre via nas bancas de revista. Naquela época, eu ainda não tinha conhecimento sobre o que era software livre, mas já sentia vontade de experimentar o Linux, principalmente porque nunca estava satisfeito com o desempenho do ruindow$ no AMD K6-II que eu tinha. No entanto, o medo foi maior e eu não cheguei a comprar uma daquelas revistas que traziam o CD do Linux.Passados alguns anos, eu já estava na universidade, já havia conhecido pessoas do movimento pelo software livre e já tinha perdido o medo. Quando comprei um computador, decidi usar apenas o Linux. O vendedor da loja me chamou de louco quando eu falei que queria que meu computador fosse entregue sem ruindow$ no HD, mas eu segui em frente…

Assim que o computador foi entregue em minha casa, instalei o Fedora Core 4 sem dificuldades. O conhecimento que eu tinha de Linux era quase nenhum, no entanto a ideologia do software livre me fez seguir em frente e fui aprendendo a utilizar o sistema e superando os problemas que apareciam.

Na mesma época em que eu comprei o computador (agosto de 2005), participei de uma oficina de produção multimídia em software livre realizada em Aracaju pelo projeto Pontos de Cultura do Ministério da Cultura. Há algumas semanas, eu havia começado um curso de iniciação ao audiovisual num ponto de cultura daqui e a oficina fazia parte da programação desse projeto. Foi aí que conheci toda a ideologia presente na construção do projeto Pontos de Cultura e passei a admirá-lo bastante a partir de então.

Depois da oficina, continuei aprendendo mais sobre o Linux… Sempre que tinha alguma dúvida, eu procurava ajuda na comunidade da Fedora Core Brasil ou no Google mesmo. Em pouco tempo, eu já estava compartilhando o conhecimento que eu tinha e ajudando outras pessoas com dúvidas na utilização do GNU/Linux e de outros softwares livres.

Meses depois, participei do Encontro de Conhecimentos Livres em Cachoeira/BA onde foram realizadas oficinas de vídeo, áudio e gráfico em software livre e também de metareciclagem, mas dessa vez com mais tempo e muito mais conhecimento compartilhado.

E assim o pinguim virou um grande companheiro…

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.