Skip navigation

Category Archives: viagens

Banner Web III ENSL e IV Festival SL

De 28 a 30 de maio, vou participar do IV Festival de Software Livre da Bahia e III Encontro Nordestino de Software Livre. A programação de palestras tá muito boa, e quero também participar da oficina de Robótica Livre.

Já no final de junho, vou participar do FISL 10 (Fórum Internacional de Software Livre), em Porto Alegre, um lugar que sempre tive vontade de conhecer, principalmente por causa dos Engenheiros do Hawaii. Tô torcendo para que tenha um show do Pouca Vogal no período que eu estiver por lá!

Estive em Arraial d’Ajuda neste fim de semana. Há mais de um ano planejo uma visita ao esporo de MetaReciclagem Bailux para dar uma oficina e conhecer Arraial d’Ajuda. Depois de uma noite de viagem, chego às 7h30 da manhã em Porto Seguro. Na rodoviária, peguei um coletivo e desci perto da Balsa. Do outro lado, peguei mais um coletivo até Arraial. Gostei do fato de a balsa e os ônibus para Arraial d’Ajuda funcionarem 24h por dia. O transporte coletivo de Porto Seguro, apesar de caro, me passou a impressão de ser ágil.

Desci na praça da Igreja e encontrei o Régis, grande articulador do Bailux. Ele me levou até a Pousada Flamboyant, na rua Mucugê, apelidada de “A rua mais charmosa do Brasil”. E a rua realmente merece: bem arborizada, com restaurantes e lojinhas com fachadas muito bonitas. O dono da pousada é amigo do Régis e ofereceu a hospedagem pra eu poder ir até lá compartilhar conhecimento com o Bailux.

Travessia de balsa em Porto seguro

Travessia de balsa em Porto seguro

Depois de um banho e de tomar café da manhã. Desci com o Régis e seu cachorro Sherlock para a praia. No caminho, fui apresentado a alguns pontos turísticos e conheci um pouco da história de Arraial. Também conversamos bastante sobre a sustentabilidade do Bailux e estratégias que podem potencializar a ação do grupo.

À tarde, iniciamos a oficina. Não tive tempo de organizar nada antes, mas tudo fluiu maravilhosamente bem. A ideia da oficina era fornecer o conhecimento básico para que o Bailux possa produzir pequenos vídeos em baixa resolução, filmados a partir de câmeras fotográficas digitais. Começamos falando de captação de imagens, depois cada um gravou um depoimento relatando como chegou ao Bailux e sua visão em relação ao grupo. Nesta tarde, ainda vimos um pouco de Cinelerra, software de edição de vídeo.

minha segunda casa

minha segunda casa

Já à noite, fui em Porto Seguro encontrar com Neidinha, amiga que conheci recentemente em Cachoeira. Ela me apresentou a parte mais movimentada da cidade, com muitos restaurantes dos mais variados tipos, bares com música ao vivo e lojas de artesanato. O turismo em Porto Seguro é muito agressivo. Tudo na cidade praticamente só gira em torno disso.

No outro dia, acordei cedo e fui à praia. No final da manhã, conheci a loja onde o Régis, há 18 anos, vende seus produtos. Continuamos a oficina à tarde, a metodologia foi mostrar alguns recursos do programa e, imediatamente todos irem praticando. À noite dei uma volta pela cidade, fiz umas fotos e fui encontrar Régis e Rafael para fazermos um intensivão de Cinelerra.

Rua Mucugê

Rua Mucugê

No domingo, não teve praia: céu todo nublado. Começamos a oficina de manhã e estendemos até perto de 15h. Ao longo do dia, discutimos um pouco a questão da sustentabilidade do projeto (como conseguir recursos para o projeto sem criar hierarquias e burocratizar as relações?) e finalizamos a edição do vídeo (link pra assistir) com os depoimentos do grupo. O Cinelerra instalado no notebook do Régis apresentou alguns bugs ao renderizar, mas mesmo assim conseguimos finalizar o vídeo.

Mais tarde, conheci o litoral norte de Porto Seguro, até a praia de Coroa Vermelha, uma região onde ainda vivem muitos índios. Próximo à cruz de aço colocada pra simbolizar o local da primeira missa em solo brasileiro, muitos dos indíos vendem artesanato. Algumas crianças indígenas pediam dinheiro pra olhar os carros. Triste ver a situação dos indígenas na região…

Espaço do Bailux

Espaço do Bailux

Numa próxima oportunidade, faremos uma oficina de técnicas de animação no Bailux. Gostei muito de Porto Seguro e Arraial d’Ajuda, toda a galera do Bailux foi muito receptiva e gentil. Espero voltar lá mais vezes!

Vista do mar, na praça da igreja

Vista do mar, na praça da igreja

Rua mucugê à noite

Rua mucugê à noite

A turma do bailux

A turma do bailux

De volta à praia! dessa vez fui à Cabuçu, praia na Baía de Todos os Santos, perto da cidade de Santo Amaro. Pra quem, como eu, não gosta de barulho e multidão, é necessário andar um pouco até uma parte mais deserta. Apesar de estar numa Baía, a praia tem algumas ondinhas, principalmente na maré cheia. O mais estranho é que, de lá, avistamos terra em quase toda a linha do horizonte, inclusive alguns prédios da cidade de Salvador.

cabuçu-01

cabuçu-02

cabuçu-03

cabuçu - cidade-alem-2

Salvador vista de Cabuçu... quase uma miragem.

dscn0650

coqueiro-na-praia

dscn0639

sentado-na-praia

Seis e meia da manhã, o alarme do celular toca. Acordo e vou direto pra praia. Caminhada e banho de mar até 7h30… acho que não tem maneira melhor de começar um dia! Café da manhã, ônibus. Nove horas já estou em frente ao computador. edição de vídeo até 18h. Depois, encontrar os/as amigos/as em algum lugar da cidade.

Esta foi a minha rotina em Aracaju, do último sábado até ontem.

Há algumas semanas, fiz minha primeira visita a Aracaju desde que vim morar em Cachoeira/BA. Aproveitei que um artigo meu foi selecionado num Colóquio pra rever a cidade, os amigos e trazer uma parte da mudança que tinha ficado por lá.

Aos meus olhos, a cidade continua a mesma. Não notei grandes diferenças, a não ser o maior movimento de motos e carros na orla por conta de um evento de motoqueiros que estava acontecendo no fim de semana. Descobri que me desacostumei à demora dos ônibus (sempre lotados) da cidade. Apesar disso, me sinto muito bem por lá… gosto do ar da cidade. Além dos amigos, o que sinto mais falta de Aracaju é poder morar perto da praia e também do quitinete que me abrigava.

Ando pensando em me mudar pra Feira de Santana. Apesar de não ter a praia de volta, lá poderei ter mais acesso a atividades culturais e ter uma casa mais aconchegante. Tô precisando também praticar um esporte e, aqui em Cachoeira, as opções são poucas. Se eu for pra Feira, vou procurar uma escola de Tênis. Como segunda opção, penso em voltar a nadar.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.